/ mariana silva    voltar para artistas

Mariana Silva

​Álbuns

001.jpg

Colectânea

 Fados e Guitarradas

Biografia

Mariana Silva estreou-se como fadista muito precocemente, aos dez anos, no Salão Monumental, em Lisboa. As lides artísticas não eram estranhas para esta menina que desde os cinco anos fazia parte do cartaz do Circo Transmontano. Aos 14 anos foi apresentada como “a miúda do Alto Pina”, apesar de ter nascido na freguesia lisboeta de Santa Engrácia, num espetáculo no mercado da Ericeira.

O caminho da profissionalização estava encetado, sendo contratada pelo empresário José Miguel, que está atento ao alarde que a imprensa fadista faz da novel fadista, ainda sem carteira profissional, como exigiam as regras da época, mas beneficiará de uma autorização excepcional da Inspeção-Geral dos Espetáculos. No início da década de 1950 a popularidade de Mariana Silva está em crescendo, em 1952 ganhou o título de Rainha do Fado Menor, num concurso no Teatro Apolo.

Marina Silva é seguramente um nome cimeiro da cena fadista, sobre quem o poeta Carlos Conde afirma que é uma “voz ao fado sabe dar, o que o fado deve ter”, e acrescentou: “Tudo nela se condensa; Impõe-se pela expressão E marca pela presença!”. Mariana Silva grava discos, participa em vários espetáculos, e o seu nome é disputado pelas diferentes casa de fado. A fadista fez parte dos elencos do Retiro dos Marialvas, Adega Patrício, Adega Mesquita, Adega Machado, Lisboa à Noite, Forcado, Tipóia, Timpanas, Viela, Márcia Condessa e Parreirinha de Alfama, onde pôs fim à carreira em 1999.

O seu primeiro disco foi gravado aos 16 anos para a Estoril Discos, mas a fadista gravou noutras discográficas como a Alvorada, espólio recentemente visitado pelo investigador José Manuel Osório (1947-2011) que editou três CD, tendo escolhido de Mariana Silva o registo “Quem me dera ser velhinha”.

 Do repertório da fadista, que também atuou várias vezes além fronteiras, constam temas como, entre outros, “Erva da Rua”, “A Minha Sina”, “A Sina das Marianas”, “Santa Mãe” e “Amar Não é Pecado”, e " E assim nasceu o fado".

Texto: NCL

Contactos

Newsletter

Redes Sociais

© Copyright 2020 Fundação Manuel Simões. Todos os direitos reservados.                                                   

logo_branco.png
i006570.png
branco.png