Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Juntos Por Todos_Rui Bandeira Fotografia_27-06-17

Artistas e mais de 14.000 pessoas juntaram-se terça-feira, dia 27 de maio, no Meo Arena, Lisboa, no concerto solidário com as vítimas dos incêndios na região centro do país, com a preocupação de que o apoio chegue às populações.

O concerto "Juntos por Todos" angariou um 1.153 mil euros, revertendo a favor da União de Misericórdias Portuguesas para reforçar o apoio às populações afetadas.
Marisa Liz, a vocalista dos Amor Electro, a segunda banda a subir ao palco, a meio da sua atuação, afirmou: “Garantimos que o dinheiro vai para as pessoas certas”.
“Temos que confiar, eu acho que essa é a filosofia portuguesa em tudo”, disse à agência Lusa a fadista Ana Moura, uma das participantes que se afirmou confiante, “dada toda a energia gerada”, que os meios financeiros alcançados vão ser empregues a favor das populações afetadas dos concelhos de Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera.
O fadista Camané é da mesma opinião e afirmou-se igualmente confiante, referindo que “é quase impossível minimizar algum sofrimento das pessoas que perderam a vida e daquelas que perderam os seus entes queridos” e sentenciou: “Estamos aqui para sermos solidários, dar o nosso melhor e tentar que pelo menos esta tragédia não seja esquecida por ninguém, para que as coisas mudem definitivamente”.
Relativamente aos incêndios, o criador de “Sei de Um Rio” afirmou que “as lições deveriam ter sido tiradas há muito mais tempo, sem perdas de vidas e sem termos chegado a este ponto”.
“As pessoas estão tão sensibilizadas, tão unidas nisto, isto foi uma tragédia tão grande, foi um choque para todos... Acho que [o total apurado] vai mesmo para tentar minimizar os danos causados a estas pessoas”, rematou o intérprete.

Juntos Por Todos_Rui Bandeira Fotografia_27-06-17

David Fonseca, músico de Leiria, cidade próxima da região onde se aconteceram os incêndios, afirmou à Lusa que o drama foi tão grande “que todos sentem de igual forma” e realçou que “os artistas tem uma atenção desmedida das pessoas e dos meios de comunicação e, como tal, têm que ter alguma atenção com aquilo que representam e, neste caso, a mensagem não é difícil de passar".

Referindo-se à aplicação do dinheiro arrecadado com esta ação, o intérprete de “Kiss me, Oh Kiss me” salientou que “preocupa a organização desde o início e que foram todos muito claros desde o início de que havia uma preocupação extrema da maneira como foram pensados, pela organização e pelas pessoas" que foram [ao Meo Arena] e "haverá uma clareza e transparência"
“Não tenho dúvidas nenhuma que tudo o que está a acontecer aqui vai transformar-se m algo real”, rematou.

 

Juntos Por Todos_Rui Bandeira Fotografia_27-06-17

Vários espetadores, à entrada do espetáculo revelaram idênticas preocupações e a mesma confiança.

“Normalmente, não digo neste caso, mas na maioria dos casos, o dinheiro não chega lá onde é preciso, há sempre uns desvios pelo meio”, disse à Lusa Sandra Silva, da Póvoa de Santo Adrião, nos arredores de Lisboa.
Rui Nunes, de Lisboa, afirmou: “nem sequer quero pensar que as coisas não sejam devidamente aplicadas, o destino [do dinheiro] deve ser aplicado por entidades credíveis, e ao que parece é a Santa Casa, portanto por aí não me sinto preocupado”.
Liliana Valente, de Lisboa, veio pelos artistas, “mas essencialmente pela solidariedade” pois “foi uma tragédia muito grande e todos devemos refletir sobre isso”.
“Temos de refletir para não voltar a suceder”, afirmou por seu turno, Sandra Silva, da Póvoa de Santo Adrião, nos arredores de Lisboa, que deseja que se “possa remediar alguma coisa que possa”.
A fadista Ana Moura, que no dia 23 de julho vai atuar em Pedrógão Grande, um dos concelhos mais afetados pelo fogo, realçou que se sente “orgulhosa” pela forma como os portugueses responderam a este apelo solidário.
Para a criadora de “Desfado”, o concerto de Lisboa demonstra o “poder da música” em juntar as pessoas.
O concerto "Juntos por Todos", que decorreu terça-feira em solidariedade com as vítimas dos fogos florestais, angariou 1.153 mil euros, revertendo a favor da União de Misericórdias Portuguesas para reforçar o apoio às populações afetadas.

 

Juntos Por Todos_Rui Bandeira Fotografia_28-06-17

Ao longo de toda a noite de terça-feira, 25 artistas portugueses subiram ao palco do Meo Arena, em Lisboa, e teve na plateia figuras como o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa e o Presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues.

Salvador Sobral encerrou o o concerto - que foi transmitido em direto e simultâneo pela RTP, SIC, TVI e todas as rádios nacionais -, e foi anunciado que os donativos tinham totalizado um milhão e centro e cinquenta e três mil euros para ajudar as populações afetadas pelo incêndio que deflagrou no passado dia 17 no concelho de Pedrógão Grande, no centro do país.
O cartaz do concerto incluiu ainda nomes como Sérgio Godinho, Pedro Abrunhosa, Rui Veloso, Carlos do Carmo, Luísa Sobral, AGIR, Carminho, Gisela João, Amor Electro, Aurea, D.A.M.A, Diogo Piçarra, Hélder Moutinho, João Gil, Jorge Palma, Luís Represas, Matias Damásio, Miguel Araújo, Paulo Gonzo, Raquel Tavares e Rita Redshoes.
A ideia do espetáculo partiu do promotor Vasco Sacramento, que, no passado dia 18, anunciou na rede social Facebook a intenção de fazer um concerto solidário, sensibilizado com as vítimas do incêndio.

Fotos: Rui Bandeira/FMS

Autoria e outros dados (tags, etc)

MarinaMDR.jpg

Marina Mota

 

António Zambujo, Gisela João, Marina Mota, Marco Rodrigues são alguns dos nomes anunciados para o V Festival Caixa Alfama, em Lisboa, que se realiza em setembro, e que conta com mais um palco.

Entre as novidades do festival, que se realiza nos dias 15 e 16 de setembro, há um novo palco, a instalar no largo do Chafariz de Dentro, com entrada gratuita, e, pela primeira vez, a organização disponibiliza um bilhete diário. Nas edições anteriores foi apenas disponibilizado um bilhete para os dois dias.
Como habitualmente, o certame divide-se por diferentes palcos instalados no bairro de Alfama, nas Igrejas de S. Miguel e Santo Estevão, no Centro Cultural Dr. Magalhães Lima, no Grupo Sportivo Adicense, entre outros.
O cartaz deste ano conta ainda com Os Mestres do Fado, grupo liderado pelo ‘viola’ Diogo Clemente, constituído pelos fadistas Ada de Castro, Maria Armanda, Maria da Nazaré, Cidália Moreira, António Rocha, Artur Batalha, Filipe Duarte e Nuno Aguiar. Este projeto, sem Ada de Castro, foi estreado em janeiro último, no grande auditório do Centro Cultural de Belém, em Lisboa.
O Caixa Alfama conta ainda com a participação de José Gonçalez e os Sangre Ibérico, Bárbara Santos, apresentada pela organização como “uma revelação”, e a participação das marchas de Alfama, que venceu o concurso das marchas de Lisboa, e a da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.
António Zambujo, que discograficamente se estreou com o álbum “Por Meu cante” (2004) e foi distinguido em 2006 com o Prémio Amália para o Melhor Intérprete, vai apresentar, no dia 15 de setembro, vários temas do seu repertório como “Por onde quer que me volte”, e, do seu mais recente CD, “Até Pensei que Fosse Minha”, no qual o músico de Beja canta canções de Chico Buarque.

 

 

13607315.jpg

Marco Rodrigues

 


Marina Mota, que também atua no dia 15, tem uma multifacetada carreira, como fadista, atriz e vedeta do teatro de revista e de televisão, produtora televisiva, e concorreu em 1988 ao Festival RTP da canção com “Partir de Mim”. O seu mais recente trabalho discográfico data de 2005, “Estados de Alma”.
Também no dia 15 atuam José Gonçalez, que recentemente editou o CD de duetos “Improvável”, e os Sangre Ibérico, no palco do Caixa Alfama, em frente ao rio Tejo.
Gisela João, natural de Barcelos, detentora de um Prémio José Afonso e do Prémio Amália Revelação, atua no dia 16. Recentemente editou o álbum “Nua”, em que revisita, entre outros, os repertórios de Amália Rodrigues, Cartola e Chavela Vargas.
Neste mesmo dia, atua Marco Rodrigues, distinguido em 2008 com o Prémio Amália Revelação, que vai apresentar vários temas do seu repertório, como “O Homem do Saldanha”, e do seu mais recente álbum “No disco “Fados do Fado” (2015).
No ano passado, o festival, segundo dados da organização, alcançou cerca de 15.000 espetadores.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Bem-vindo


Parcerias


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Visitas

Flag Counter